Vamos falar um pouco sobre o tema proposto:

 

Hoje mais de 2.000 estudos em Fisioterapia após a prostatectomia radical mostram como a reabilitação pélvica masculina vem crescendo e trazendo resultados positivos para essa população. Sociedades internacionais através de seus consensos vêm recomendado a Fisioterapia como um bom tratamento conservador.  Sendo assim vale a pena entendermos mais um pouco sobre o assunto e buscar aprimoramento para trabalhar com essa população tão necessitada de atenção fisioterapêutica.

 

A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem a forma de maçã e se situa logo abaixo da bexiga e à frente do reto. A próstata envolve a porção inicial da uretra, tubo pelo qual a urina armazenada na bexiga é eliminada. A próstata produz parte do sêmen, líquido espesso que contém os espermatozoides, liberado durante o ato sexual.

 

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não melanoma). Em valores absolutos, é o sexto tipo mais comum no mundo e o mais prevalente em homens, representando cerca de 10% do total de cânceres. Sua taxa de incidência é cerca de seis vezes maior nos países desenvolvidos em comparação aos países em desenvolvimento.

 

Mais do que qualquer outro tipo, é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. O aumento observado nas taxas de incidência no Brasil pode ser parcialmente justificado pela evolução dos métodos diagnósticos (exames), pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação do país e pelo aumento na expectativa de vida. (FONTE: INCA)

 

O câncer de próstata ocorre principalmente em homens mais velhos. Cerca de 6 em cada 10 casos são diagnosticados em homens com mais de 65 anos, sendo raro antes dos 40 anos.

 

A média de idade no momento do diagnóstico é de cerca de 66 anos.

 

O câncer de próstata é a segunda principal causa de morte por câncer em homens, seguido apenas pelo câncer de pulmão. Cerca de 1 homem em 36 morrerá de câncer de próstata.

 

O câncer de próstata pode ser uma doença grave, mas a maioria dos homens diagnosticados com a doença, não morrem por causa dela.

 

A prostatectomia radical é tratamento primário do carcinoma prostático, eficaz na eliminação da recidiva da patologia e no aumento da sobrevida, porém traz como um dos efeitos secundários a incontinência urinária, que causa um profundo impacto negativo na vida diária desses homens.

  • A incidência da incontinência urinária após a prostatectomia radical varia de 2% a 87%.

  • Principal causa - lesão iatrogênica dos esfíncteres urinários

  • Tempo de recuperação da continência - processo lento

 

 

 

COMPLICAÇÕES MAIS COMUNS APÓS CIRURGIA PARA RETIRADA DA PRÓSTATA

 

Qualquer procedimento cirúrgico traz consigo riscos e possíveis efeitos colaterais. Quanto mais idoso for o paciente, maior o risco destas complicações.

 

Riscos Cirúrgicos - Os riscos em qualquer tipo de prostatectomia radical são muito parecidos, assim como os de qualquer cirurgia de grande porte, incluindo os riscos anestésicos. Entre os mais importantes temos: pequeno risco de infarto, de derrame e de trombose em pernas, embolia pulmonar, assim como infecção no local da incisão.

 

Efeitos Colaterais - Os principais efeitos colaterais da prostatectomia radical são a incontinência urinária e a impotência. Entretanto, esses efeitos colaterais também podem ser provocados com outras formas de tratamento.

 

INCONTINÊNCIA URINÁRIA

 

Existem diferentes graus de incontinência, que podem afetar o homem, não só fisicamente, mas emocional e socialmente:

 

Incontinência de Estresse – É o tipo mais comum de incontinência após a cirurgia de próstata, quando a urina pode escapar a um movimento repentino como tossir, rir ou espirrar.

 

Incontinência por Transbordamento – Quando a bexiga não é totalmente esvaziada. Neste caso, o homem leva um tempo grande para urinar e só consegue um fluxo fraco. Geralmente é causada pelo bloqueio ou estreitamento da saída da urina pelo tumor ou tecido cicatricial.

Incontinência de Urgência – Quando se tem uma necessidade súbita de urinar. Esse problema ocorre quando a bexiga torna-se muito sensível ao alongamento, ou seja, quando a bexiga enche de urina.

 

Raramente após a cirurgia, o homem perde toda a capacidade de controlar sua bexiga, o que é chamado de incontinência urinária contínua.

 

Geralmente o controle da bexiga, em homens submetidos a cirurgia de câncer de próstata retorna ao normal dentro de algumas semanas ou meses após a prostatectomia radical. O tratamento para a incontinência depende do seu tipo, causa e severidade.

 

DISFUNÇÃO ERÉTIL

 

A prostatectomia, é um fator de risco para a disfunção erétil, problemas de ejaculação e alterações no orgasmo. A taxa de manutenção da função erétil é maior em homens abaixo de 65 anos, no entanto outros fatores como diabetes, hipertensão, colesterol elevado, tabagismo e doenças cardíacas interferem na disfunção erétil pós prostatectomia. Alguns estudos mostram que a incidência da disfunção erétil após a prostatectomia radical pode chegar a 60%.

 

INTERVENÇÕES FISIOTERAPÊUTICAS

  • Eletroestimulação funcional

  • Biofeedback

  • Exercícios para os MAPs

  • Terapia comportamental

  • Exercícios domiciliares

 

CONCLUSÕES:

 

Treinamento muscular do assoalho é recomendado para o tratamento inicial de incontinência urinária pós prostatectomia radical;

 

Antimuscarínicos para urgência ou incontinência de urgência;

Esfíncter urinário artificial;

 

Slings masculinos são uma alternativa para homens com IU pós prostatectomia.

 

Para potencializar os resultados dos exercícios dos MAPs a curto e longo prazo é imperativo respeitar os princípios da fisiologia do exercício e inserir o programa dos exercícios dos MAPs nos cuidados de saúde diários.

 

 

Referências

 

1. Zaidan P; Muller VJF; Silva EB. Electrical stimulation, pelvic floor muscle exercises, and urinary incontinence in post-prostatectomy patients: Controlled randomized double-blind experiment. International Journal of Current Research. Vol .8, Issue, 11, pp.41859-41863, November, 2016.

2.  Abrams P, Cardoso L, Khoury S, Wein A. Incontinence. 4nd ed. Paris: Health Publication 2013. p. 1908,1912.

3. Lima CLM, Vaz FP, Müller V. Incontinência Urinária Pós-Prostatectomia: Tratamento. Projeto Diretrizes-Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina, 2006.

4. Zaidan P,  Silva EB. Electrostimulation, response of the pelvic floor muscles, and urinary incontinence in elderly patients post prostatectomy. Fisioter mov. 2014;27(1):93-100.

 

 

 

 

Dra. Patrícia Zaidan

 

Fisioterapeuta Especialista em Uroginecologia – UGF
Mestre em Ciências do Exercício e do Esporte  - UERJ 
Doutoranda em Ciências do Exercício e do Esporte  - UERJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Bate papo com Presidente da AFIDERJ.

September 4, 2019

1/10
Please reload

Posts Recentes

January 26, 2019

Please reload

Arquivo
Posts Em Destaque
Please reload

Procurar por tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Fale conosco

(21) 99999-2582

(21) 99835-3798

  • Facebook Social Icon
  • unnamed
CNPJ  28.326.681/0001-00
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now