A Importância do Fisioterapeuta no Trauma e Emergência

 

Denominam-se primeiros socorros o tratamento aplicado de imediato ao acidentado ou portador de mal súbito, ou seja, são cuidados imediatos prestados a uma pessoa, fora do ambiente hospitalar, cujo estado físico, psíquico e ou emocional coloquem em perigo sua vida, com o objetivo de manter suas funções vitais e evitar o agravamento de suas condições, até que receba assistência medica especializada.

 

Atividade de emergencista  ou socorrista é regulamentada pelo Ministério da Saúde, segundo a portaria n° 824 de 24 de junho de 1999. O socorrista deve dispor de um treinamento detalhado sobre toda situação que envolve o trauma.  Um bom socorrista deve ter espírito de liderança, compreensão, tolerância e paciência; ser um líder, na concepção da palavra; saber planejar e executar suas ações; saber promover e improvisar com segurança; ter iniciativa e atitudes firmes e ter, acima de tudo o espírito de solidariedade humana.

 

A atuação fisioterapêutica nas unidades de emergência (UEs) e unidades de pronto atendimento (UPAs) está em crescimento no Brasil com a finalidade de contribuir na avaliação e no diagnóstico funcional dos distúrbios ventilatórios e de atuar no tratamento e na prevenção das alterações respiratórias apresentadas pelos pacientes nessas unidades.

 

Na última década, seguindo tendências internacionais, a inserção dessa prática vem gerando contribuições e desfechos clínicos favoráveis a esses pacientes. O objetivo principal do atendimento fisioterapêutico é dar suporte rápido e eficiente para disfunções cardiorrespiratórias nas primeiras horas, evitando possíveis agravamentos, como necessidade de intubação orotraqueal (IOT), utilização de ventilação mecânica invasiva (VMI) e admissão na unidade de terapia intensiva (UTI).

 

A Portaria 2048 do Ministério da Saúde (MS),1 que dispõe sobre o serviço de urgência e emergência no Brasil, em seu capítulo V, discorre sobre o atendimento hospitalar nas UEs e emergência, citando o serviço de suporte, acompanhamento clínico e reabilitação, em que a presença do fisioterapeuta se faz importante por sua contribuição, prevenindo e tratando complicações cardiorrespiratórias, neurológicas e musculoesqueléticas.

 

Logo, de acordo com a Portaria Nº 1601/MS, de 7 de Julho de 2011, que estabelece diretrizes para implantação das UPAs e do conjunto de serviços de urgência 24 horas da Rede de Atenção às Urgências, em conformidade com a Política Nacional de Atenção às Urgências, em seu Art. 2º § II, essas unidades devem possuir equipe multiprofissional interdisciplinar compatível com seu porte.

 

O trauma ou situação de emergência hoje em dia torna-se uma grande realidade nos centros urbanos, isto deve-se ao fato de que o tempo disponível para deslocamento das pessoas de um ponto ao outro iniciou uma grande corrida contra o tempo e os efeitos colaterais disto passaram a ser as inúmeras ocorrências por acidente automobilísticos ou motociclísticos.

 

Na ocorrência do trauma toda a equipe deve estar atenta aos sinais vitais, capacidade de responsividade, manutenção das vias aéreas afim de garantir uma boa ventilação, dados da cinemática à partir do vetor, mecânica do movimento, e a possibilidade de conservação de energia.

 

Toda a abordagem multidisciplinar tem o fisioterapeuta como importante membro da equipe, toda a conduta em tempo real requer posicionamento adequado aos segmentos afetados, cinesiologia aplicada, experiência em adequação e inserção a ventilação mecânica, além de mobilização ao paciente crítico.

 

Dentro de todo este cenário torna-se importante a instituição de profissionais em fisioterapia em núcleos emergenciais partindo de um ambiente intra hospitalar ou extra hospitalar (residências e logradouros) e deve ser abordada em formato de legitimidade social e apresentada aos órgãos representativos, afim de que se torne mais um amplo mercado de trabalho, e mais uma área de especialização legítima ao profissional em fisioterapia.

 

O profissional Fisioterapeuta deve solicitar ajuda e avaliar o cenário ao verificar que uma pessoa não responde quando apresentado um evento relacionado a ausência de pulso e respiração durante o atendimento em domicilio, a utilização do desfibrilador externo automático neste local não possui evidências, por isto é recomendado o acionamento do serviço avançado de emergências em concomitância a realização da compressões torácicas ao iniciar o SBV após avaliação prévia.

 

É recomendado a realização de ações e treinamento em locais públicos, residenciais e nas comunidades sobre o suporte básico de vida (SBV) ao indivíduo leigo que por algumas circunstâncias sofre de desinformação e não apresenta qualquer capacidade compreender que o acionamento do serviço avançado faz parte de estratégias a prevenção de mortalidade por PCREH.

 

Um grande abraço a todos!

 

E até a próxima!

 

Mariel Patricio de Oliveira Junior ( Professor Universitário e Fisioterapeuta Especialista em UTI e Fisioterapia Respiratória)

 

 

 

REFERÊNCIAS

 

1- Brasil. Ministério da Saúde. Política nacional de atenção às urgências. Brasília: MS; 2003.

2. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.600, de 7 de julho de 2011. Brasília: MS; 2011.

3 - Oliveira Junior MP, Azeredo LM, Maia GG. Fisioterapia nas unidades de emergência e de pronto atendimento. In: Associação Brasileira de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva; Martins JA, Reis LFF, Andrade FMD, organizadores. PROFISIO Programa de Atualização em Fisioterapia em Terapia Intensiva Adulto: Ciclo 8. Porto Alegre: Artmed Panamericana; 2017. p. 11–49. (Sistema de Educação Continuada a Distância, v. 1).

 

4 - American Heart Association Guidelines Update for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care. Circulation. 2015;132(18) (Suppl 2).

 

 

 

Mariel Patricio - Fisioterapeuta

Esp.    Reabilitação Pulmonar e UTI 

 

Docente Auxiliar (UNESA)

Hospital Estadual Getúlio Vargas

Coordenação Clínica Escola FISIOIGUAÇU

Coordenador do Dept de Emergências e I Secretário da AFERJ

Coordenador da CT de Fisioterapia em Emergências do Crefito 2

(21) 999689520

http://lattes.cnpq.br/1232505713811713

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Bate papo com Presidente da AFIDERJ.

September 4, 2019

1/10
Please reload

Posts Recentes

January 26, 2019

Please reload

Arquivo
Posts Em Destaque
Please reload

Procurar por tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Fale conosco

(21) 99999-2582

(21) 99835-3798

  • Facebook Social Icon
  • unnamed
CNPJ  28.326.681/0001-00
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now